TRANSLATE

VISUALIZAÇÕES DA PÁGINA

segunda-feira, 3 de março de 2014

O ANALFABETISMO E A SABEDORIA EM A MAIORIA POPULACIONAL

Existe um tipo de analfabetismo muito maior que o da não prática de leitura, escrita, cálculo, biologia, história e tudo isso que estudamos nas escolas do mundo inteiro. E que está a gerar todos esses conflitos em sala-de-aula, famílias, países e nações; e que está conectado com a destruição presente no planeta.

Um analfabetismo que leva pessoas ricas e pobre, analfabetos e acadêmicos eruditos, camponeses e urbanos, crianças e velhos, homens e mulheres, enfim, pessoas a estarem infelizes, por não terem uma educação que lhe dê respostas aos anseios existenciais humanos.

O analfabetismo eletrônico já se vê rodeado por internet, computadores, tablet, celulares, laptop, televisores, hidrelétricas, foguetes, satélites e etc.; próximo ou conjuntamente dele, o analfabetismo robótico, rodeado por carros, motos, aviões, helicópteros, navios...

O analfabetismo biológico/físico/químico/médico, já se vê rodeado por insumos químicos e biológicos, por células-tronco, estudos genéticos, medicamentos eficazes, rádio e ultrassonografia, transplante de medula, cirurgias neurais e de estética avançadas, reconstrução de partes gravemente fraturas no corpo e etc.

Já o analfabetismo cultural e educacional global, rodeado por diversas universidades, escolas de nível médio e técnico, pela arte cinematográfica e música, por mídia/imprensa diversa, enfim, meios de influência com contato direto junto ao ser humano.

Outras formas de analfabetismo também já estão se vendo rodeado por avanços a superá-los. Agora..., se esses avanços e os demais citados anteriormente estão disponíveis a todas as pessoas, de forma democrática e paritária, e para o bem comum?; sabemos que não!; mesmo com a ilusão do materialismo em comprar e comprar.

Porém, enquanto dinâmica das relações humanas, em quase todos seus ambientes, enfatizando aqui o escolar...: por que estudantes, professores e famílias não se entendem? Por que tantas desavenças, brigas-física e até mortes nas escolas? Por que pais e filhos não se entendem, e até se matam?

Por que os governos não conseguem resolver esse conflito? Por que as famílias não se empenham e nem estão conseguindo resolver esse conflito? E os estudantes, por que também? Por que as igrejas, via seus líderes religioso, políticos, empresários e fiéis diversos, assim também estão?

Por que não é conscientemente compreendido que pensamentos, emoções, política, crenças, economia e demais conjunturas sociais, entre outras manifestações humanas, são emanações humanas, e que esses têm a liberdade de escolher emanar o certo ou errado, o bem ou o mal, o honesto e o desonesto, etc.?

A mais grave forma de analfabetismo, milenarmente existente, continua a se manifestar e gerar: ignorância, fanatismo, idolatria, ganância, individualismo, materialismo, dualismo..., que junto a outros, são partes/desdobramentos de inconsciências.

É o Despertar da Consciência que não está na alfabetização; que não é essa arte de saber ler, interpretar, elaborar e defender/calcular mundos ideológicos, referentes a conceitos, ideologias, crenças, culturas, números e etc. – as guerras na mente humana. Mas sim, algo enormemente maior; e que se encontra em todos locais.

Portanto, a intenção desse Diálogo Escolar é demonstrar e apresentar sinais desse Universo de riquezas educativas, adormecido na humanidade, e abundante à maturação humana; que pode ser utilizado no processo de aprendizagem escolar – discente & docente –; junto à manifestação e mediação de conhecimentos – a aula; e em casa.

Ambos podendo ser percebidos em várias ciências, textos na internet, livros escolares ou diversos, em músicas, filmes, pequenos vídeos e curtas metragens, disponíveis na internet. Igualmente, perceptíveis em teatros, em expressões populares e outras mais formas de manifestação humana.

E que são ofuscados, aos olhos da sociedade, também por ideologias políticas, culturas e crenças que, ao em vez de promover a união e re-ligação entre humanos, estão promovendo a separação, a violência e a guerras, conforme se pode notar atualmente e em outrora.
 
Importa constar aqui que tal ofuscamento ocorre devido a culturas humanamente desestruturadas, antiquadas e imaturas, no entanto, fortes enquanto capacidade de influência populacional; via intelectualidade, política e culturas, em meio a uma população desprovida de leitura crítica-humanista; ou não desperta.

Dessa forma, prima-se aqui, por denotar e proporcionar meios de se ter contato com o conjunto de leis que presidem à existência de seres, a força ativa estabelecedora e conservadora da ordem natural do universo; do qual somos parte. E que pouco é apresentado/exposto à maioria da população.

Já existe um movimento global ocorrendo, prol a saúde ecológica e humanista no planeta. Ou melhor, esse movimento sempre existiu, pois, remetem a pessoas que, iguais aos nativos/indígenas, sabem que o meio-ambiente é e está em nossa mente/alma, que, ao destruí-la, enlouqueceremos e morreremos.

Contudo, quase a totalidade populacional não percebe a Consciência, a despertá-la, por estarem e olharem para outras direções: o materialismo e individualismo, que junto a outras, são característica e ações de quem se move por força de egos, o ego: eu mesmo, mim mesmo, certo sou eu...

Conforme fora dito, em esse diálogo escolar, buscou-se utilizar de vários meios quanto a facilitar e expandir o acesso aos conhecimentos que envolvem essa obra. Nisso, muito fora usado de documentários, filmes, músicas, sites, artigos, resumos, entre outros mais.
 
Peço que, conforme lendo o texto, e identificando esses meios, que vá assisti-los, escutá-los, vê-los e investigá-los. Muitos deles estão disponíveis gratuitamente na internet. E, que não se angustie querendo a receita perfeita e curta o fim dos problemas da humanidade particular e coletiva: cada um tem sua própria jornada.

Será de grande valia; principalmente no que tange a assuntos ligados a literatura, filosofia, sociologia, política, economia e religiões: são materiais que não buscam promover guerras, tendencionismo, desrespeito..., mas sim, em suas possibilidades, buscam despertar consciências.

Enfim, o analfabetismo em questão é a inconsciência; por não conhecermos ou estar a conhecer a vida. Por sermos condicionados por ignorantes e a própria ignorâncias em pessoa, de forma a não convivermos com o semelhante, principalmente o de outra cultura, ideologia, crença...; o que nos leva a querer separação, guerras e mortes.

Inconsciência por estarmos sempre sofrendo, seja pelo que aconteceu ontem, ou o que acontecerá amanhã: é sempre em relação ao que não existe, meramente por não estarmos enraizadas na realidade; mas, estarmos enraizados na mente. Uma parte da mente é memória, outra, é imaginação. Ambas, de certa forma, não existem neste momento do agora.

Somos consciência quando agimos tanto ao próprio quanto ao alheio crescimento. Sem necessariamente ter um planejamento e um objetivo; principalmente o de promover esse ou aquele seguimento ou a mim mesmo como mestre, educador, evoluído, superior e etc.

Entre mais belas ações, somos consciência sendo a ação de amar, sem querer controlar o ser amado, e sim desejando a felicidade do ser amado; independente de aceitação ou rejeição, independente de qual país, ideologia, filosofia, religião e cultura ele pratique...

E nisso eu lhe convido: vamos observar e avistar algo que está a se mover constantemente ao nosso redor? Não é a receita, fórmula, história ou palavras perfeitas, mas, creio que pode ser um bom piscar ao abrir de olhos.

AS CENTELHAS D'UMA CHAMA